Vida no exterior: Saiba quem tem direito a dupla cidadania, como tirar e quais as suas vantagens

A dupla cidadania é o sonho de muitos brasileiros que desejam construir uma vida no exterior.

Saiba neste artigo tudo sobre a dupla cidadania, como tirar e suas inúmeras vantagens!

Quem tem direito a dupla cidadania?

Há 3 formas de se obter dupla cidadania.

A primeira, pode ser conseguida por “jus sanguinis”, do latim, direito de sangue.

Isto é, descendentes diretos (filhos e netos) de europeus e estrangeiros em geral, têm direito à dupla nacionalidade. Os bisnetos, no entanto, precisam de avós estrangeiros vivos para fazerem o requerimento.

A dupla cidadania também pode ser conseguida por casamento. Dessa maneira, é necessário que o casamento civil tenha acontecido a no mínimo 3 anos e que o casal possua vínculo com o país.

Porém, os consulados devem ser consultados, pois as normas possuem variações ao depender do Estado.

Por fim, há também o “jus solis”, do latim, direito de solo.

Basicamente você pode requerer a cidadania depois de 6 anos geralmente, durante esse tempo você vive como imigrante. Lembre-se que viver como imigrante durante um tempo tão estendido, não é fácil, e tem muitas burocracias.

Foto: Reprodução/Pexels

Como tirar a dupla cidadania por direito de sangue?

Para ter uma vida no exterior dentro da legalidade é necessário que você tenha um documento que ateste sua cidadania daquele local.

De modo geral, você consegue orientações sobre os trâmites jurídicos do processo em consulados aqui no Brasil, no caso de Portugal, por exemplo, em “conservatórias de registros”, uma espécie de cartório.

O mais importante, para que ocorra esse processo, é a documentação.

No caso de descendentes, é necessário que seja apresentada a certidão de nascimento de Inteiro Teor.

Nela, constarão dados detalhados sobre a genealogia da pessoa em questão. Isto é, o nome completo dos avós maternos e paternos, o local de origem de ambos, o nome completo dos pais e suas respectivas profissões além de o nome das testemunhas da certidão de nascimento original.

A certidão de Inteiro Teor pode ser conseguida facilmente através de uma solicitação do interessado para o cartório online.

Como tirar a dupla cidadania por casamento?

No caso de dupla cidadania por casamento, as normas burocráticas mudam de país para país mas apresentam alguns pontos menos variáveis.

São estes: tempo mínimo de casamento de 3 anos, falar bem a língua do país, possuir vínculo com o local, ser casado no civil.

Na União Europeia o casamento cívico é aceito por todos os países membros, diferente da união estável.

Levar uma vida no exterior sem  dupla cidadania pode ser bastante burocrático, por isso recomenda-se que, caso você possa consegui-la, corra atrás!

Quais as vantagens da dupla cidadania?

Ter uma vida no exterior tranquila e dentro da normalidade é um dos principais fatores que incitam o jovem a buscar a dupla nacionalidade. Facilidade em arrumar empregos é sem dúvida um dos pontos mais abordados.

Conseguir emprego sendo imigrante pode ser muito frustrante. A quantidade de documentos que as empresas e até mesmo estabelecimentos bastante simplórios, pedem, é são muitos, e consegui-los nem sempre é fácil. Você teria que recorrer sempre a renovação do seu visto.

Além do emprego, viagens dentro do país também são mais seguras. No caso da União Europeia, pode-se transitar quase que “livremente” entre os países, isto é, sem muita burocracia.

A dupla cidadania também garante estabilidade dentro do seio familiar, dos pais para com os filhos. Evitando futuros conflitos no caso de um divórcio, por exemplo.

Qualidade de vida

É claro que não poderia deixar de mencionar o fato de que a vida no exterior oferece uma qualidade de vida muito superior, especialmente em países Europeus, e no Canadá.

A segurança, educação pública de qualidade e economia relativamente estável, faz com que levar uma vida no exterior seja o sonho de muita gente.

Vida no exterior: Saiba quem tem direito a dupla cidadania, como tirar e quais as suas vantagens

A dupla cidadania é o sonho de muitos brasileiros que desejam construir uma vida no exterior.

Saiba neste artigo tudo sobre a dupla cidadania, como tirar e suas inúmeras vantagens!

Quem tem direito a dupla cidadania?

Há 3 formas de se obter dupla cidadania.

A primeira, pode ser conseguida por “jus sanguinis”, do latim, direito de sangue.

Isto é, descendentes diretos (filhos e netos) de europeus e estrangeiros em geral, têm direito à dupla nacionalidade. Os bisnetos, no entanto, precisam de avós estrangeiros vivos para fazerem o requerimento.

A dupla cidadania também pode ser conseguida por casamento. Dessa maneira, é necessário que o casamento civil tenha acontecido a no mínimo 3 anos e que o casal possua vínculo com o país.

Porém, os consulados devem ser consultados, pois as normas possuem variações ao depender do Estado.

Por fim, há também o “jus solis”, do latim, direito de solo.

Basicamente você pode requerer a cidadania depois de 6 anos geralmente, durante esse tempo você vive como imigrante. Lembre-se que viver como imigrante durante um tempo tão estendido, não é fácil, e tem muitas burocracias.

Como tirar a dupla cidadania por direito de sangue?

Para ter uma vida no exterior dentro da legalidade é necessário que você tenha um documento que ateste sua cidadania daquele local.

De modo geral, você consegue orientações sobre os trâmites jurídicos do processo em consulados aqui no Brasil, no caso de Portugal, por exemplo, em “conservatórias de registros”, uma espécie de cartório.

O mais importante, para que ocorra esse processo, é a documentação.

No caso de descendentes, é necessário que seja apresentada a certidão de nascimento de Inteiro Teor.

Nela, constarão dados detalhados sobre a genealogia da pessoa em questão. Isto é, o nome completo dos avós maternos e paternos, o local de origem de ambos, o nome completo dos pais e suas respectivas profissões além de o nome das testemunhas da certidão de nascimento original.

A certidão de Inteiro Teor pode ser conseguida facilmente através de uma solicitação do interessado para o cartório online.

Como tirar a dupla cidadania por casamento?

No caso de dupla cidadania por casamento, as normas burocráticas mudam de país para país mas apresentam alguns pontos menos variáveis.

São estes: tempo mínimo de casamento de 3 anos, falar bem a língua do país, possuir vínculo com o local, ser casado no civil.

Na União Europeia o casamento cívico é aceito por todos os países membros, diferente da união estável.

Levar uma vida no exterior sem  dupla cidadania pode ser bastante burocrático, por isso recomenda-se que, caso você possa consegui-la, corra atrás!

Quais as vantagens da dupla cidadania?

Ter uma vida no exterior tranquila e dentro da normalidade é um dos principais fatores que incitam o jovem a buscar a dupla nacionalidade. Facilidade em arrumar empregos é sem dúvida um dos pontos mais abordados.

Conseguir emprego sendo imigrante pode ser muito frustrante. A quantidade de documentos que as empresas e até mesmo estabelecimentos bastante simplórios, pedem, é são muitos, e consegui-los nem sempre é fácil. Você teria que recorrer sempre a renovação do seu visto.

Além do emprego, viagens dentro do país também são mais seguras. No caso da União Europeia, pode-se transitar quase que “livremente” entre os países, isto é, sem muita burocracia.

A dupla cidadania também garante estabilidade dentro do seio familiar, dos pais para com os filhos. Evitando futuros conflitos no caso de um divórcio, por exemplo.

Qualidade de vida

É claro que não poderia deixar de mencionar o fato de que a vida no exterior oferece uma qualidade de vida muito superior, especialmente em países Europeus, e no Canadá.

A segurança, educação pública de qualidade e economia relativamente estável, faz com que levar uma vida no exterior seja o sonho de muita gente.

Compartilhe com seus amigos!